ESPIRITUALIDADE, DOZE PASSOS, REFLEXÕES DIÁRIAS, TEMAS SÔBRE DEPENDÊNCIA QUÍMICA

espiritualidade, dependência química, Alcoólicos Anônimos, Narcóticos Anônimos, Alateen, Alanon, saúde física e mental, lazer, curiosidades, doze passos, passagens da bíblia, notícias, clínicas de recuperação. Espero com essas matérias, estar colaborando com alguém, em algum lugar, em algum momento de sua vida.

domingo, 4 de novembro de 2007

Programa Prevenção de Recaída (PPR)

PERMANECER SÓBRIO

UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAÍDAS

(Baseado no Modelo do CENAPS)

Todos têm consciência da natureza básica destrutiva da doença do alcoolismo. Ela afeta suas vítimas no corpo, mente, emoção e alma. Pela sua natureza é uma doença terminal.
Sabemos que é outra doença que não pode ser curada, mas que pode ser retida. Centenas de milhares de alcoólicos nos últimos cinqüenta anos detiveram sua doença e vivem felizes, efetivos, produtivos e sóbrios. Porém, uma das grandes tragédias neste campo é o fato de que muitos alcoólicos ficam bem por um tempo e então voltam a beber.
É dito que aproximadamente metade dos alcoólicos que chegam a porta da sobriedade, entram e ficam. Dos outros, muitos ficam um tempo e tem uma ou mais recaídas e então entendem sobre a necessidade de uma vida sóbria e ficam sóbrios até a morte.
Dos remanescentes alcoólicos, muitos passam pela “porta circular”, várias vezes. Alguns morrem.
Disto tudo veio o modelo CENAPS para recuperação e prevenção de recaídas. Integra Alcoólicos Anônimos com tratamento profissional e cria um mapa rodoviário ou guia para a recuperação. o que ele faz, é integrar a sabedoria do programa de recuperação do Alcoólicos Anônimos com a pesquisa das últimas décadas.
Um terapeuta diz: pacientes que por várias vezes passam por tratamento, conhecem o programa, freqüentam Alcoólicos Anônimos, mas, por algum motivo não conseguem colocar em prática os princípios dos doze passos e outros do Alcoólicos Anônimos.
Confronto não funciona com pacientes recaídos; se existe algo que eles conhecem é lidar com confronto.
São pessoas complicadas, tendem a se colocarem para baixo. Sua auto-estima todo tempo está baixa.
Muitas e muitas pessoas não queriam recair. “Como alguém que queria a sobriedade e com conhecimento sobre alcoolismo voltava a beber.” Como poderiam os alcoólicos convencerem-se a si mesmos a beber sabendo que a bebida poderia matá-los?
Observei que sua habilidade para lidar com abstrações, sentimentos, pensar claramente, reconstruir histórias próprias, era muito limitada.
Após completar dez histórias fiz uma correlação entre elas e construi uma lista do que chamei “sinais de aviso de recaída.” Simples palavras como: negação, comportamento defensivo, crises de crescimento, etc. elaborei a partir daí um plano de prevenções de recaída.
Cumprir esse plano pode significar a diferença entre a vida e a morte. (Terence T. Gorski)








































CAPÍTULO I.

Recaída na Doença Adictiva.

Recaídos são vítimas de crenças errôneas e recaíram porque não sabem como preveni-las. Xingam-se pelas recaídas.
Há pessoas que “levam seu corpo” para reuniões de Alcoólicos Anônimos mas sua mente não está lá.
Encarar a possibilidade de recaída realisticamente é a única maneira de preveni-la.
Muitos sintomas existentes de recaída, surgem na abstinência. Estes sintomas baseados na sobriedade, podem ser reativados a qualquer tempo durante a recuperação.
Muitas pessoas pensam em usar adictivos químicos quando pensam em recaídas. Certamente o uso de adictivos é recaída.
Recaída começa antes de usar o adictivo. Mesmo sem beber, ou usar, podem perder a capacidade de julgamento e comportamento, desenvolver problemas emocionais ou físicos. Ficam disfuncionais na sobriedade antes de usar adictivos ou em vez de usar adictivos.
Não significa que você precisa atingir um ponto difícil na recuperação ou estar experimentando alguma dor e luta na recuperação para estar recaindo. Significa que, em geral, você não está prestando atenção na sua recuperação, você pode estar movendo-se inconscientemente em direção à recaída.
Aprender e viver normalmente sem uso de adictivos requer mais que abstinência.
É necessário corrigir os danos físicos, psicológicos e sociais a saúde cansados pela adicção. Também é necessário aprender a viver uma vida saudável e produtiva.
Recaída e recuperação estão intimamente relacionados.
Tendência à recaída é uma parte normal e natural do processo de recuperação.

CAPÍTULO II.

Doença da Adicção.

Para entender recaída, é preciso entender a doença da adicção. As pessoas muitos vezes não conseguem se recuperar porque não entendem sua adicção, ou não conseguem fazer aquelas coisas que podem ajudar a evitar a recaída. Informação errada sobre a natureza da adicção é responsável por muitos tratamentos impróprios e incompletos que levam a recaída.

Adictivos Químicos.

Drogas alterados de humor são agentes químicos que produzem mudanças na função do cérebro por alterar a química do cérebro. Vamos dividir em quatro grupos:

1 – Depressoras: a) álcool; b) pílulas para dormir (barbitúricos que agem como sedativos e hipnóticos; c) tranqüilizantes (Librium, Valium, etc.).

2 – Estimulantes: a) anfetaminas; b) cocaína; c) nicotina; d) cafeínas.

3 – Analgésicos: a) narcóticos; b) derivada de narcóticos
4 – Alucinogênicas: a) alucinogênicos; b) penciclidina (pep); c) Cannabis (maconha, haxixe, etc.)

A Doença da Adicção.

“Adicção” é uma condição na qual uma pessoa desenvolve bio-psico-social dependência com qualquer droga alteradora de humor. A curto prazo é uma gratificação.
A longo prazo, a adicção é acompanhada por obsessão, compulsão e perda de controle.

Contínuo Uso Leva Ao Uso Continuado.

Adicção distingue-se de uso de droga pela falta de liberdade de escolha. Usar é uma escolha. Adicção é uma condição que tira da pessoa a escolha, data e freqüência, quantidade e natureza do uso. Toda adicção começa com o uso, mas nem todo uso leva à adicção.
Pesquisas atuais reforçam que algumas pessoas nascem com o corpo mais suscetíveis à adicção que outras.

A Doença Adictiva é Bio-Psico-Social.

Uma pessoa precisa usar álcool ou drogas para tornar-se adicta.
Em algumas pessoas uma pequena quantidade de álcool ou uso de drogas num curto período de tempo pode deflagrar a adicção. outras pessoas podem usar álcool, drogas pesadas por muito tempo para que se desenvolva a doença adictiva.
Quanto mais as pessoas usam químicos para se sentir bem, menos elas aprendem a usar maneiras eficazes para experimentar e enfrentar sentimentos, situações e pessoas.

Síndrome de Abstinência.

Parte da dor é causada pela reação psicológica por perder o principal método de lidar com a vida – o uso de drogas adictivas. Parte da dor é social, causada pela separação de uma maneira de viver centrada na adicção.
A síndrome de abstinência física se desenvolve em duas fases. A primeira é chamada abstinência aguda e dura de três a dez dias. A segunda é a síndrome de abstinência demorada (sad) e pode durar anos na sobriedade.

Progressão.

O sintoma principal do primeiro estágio da adicção é o aumento da tolerância. (Usam cada vez mais sem se intoxicar).

Progressão da Doença Adictiva.

1 – Estágio Inicial: Crescente tolerância e dependência.

2 – Estágio Médio: Progressiva perda de controle.

3 – Estágio Crônico: Deterioração da saúde bio-psico-social.

1= Para certas pessoas é difícil reconhecer que são adictas, pois podem “controlar a bebida ou, a droga.”
O primeiro sinal de aviso então, realmente se opõe ao diagnóstico precoce porque ele esconde o problema.

2= Não usar começa a criar dor. A droga é usada para aliviar a dor de não usar. Família e amigos começam a notar o problema: trabalho, saúde, casamento, polícia.
Eles são capazes de acreditar, porém, que a pessoa está se comportando irresponsavelmente. Não têm consciência de que o adicto não escolheu o problema de comportamento. Ele é parte da doença. A pessoa não pode, pela força de vontade, escolher beber ou usar responsavelmente. A única alternativa para os problemas continuados é o processo de progressão da doença, tratamento e abstinência total.

3= O estágio crônico da adicção é mareado pela deterioração física, psicológica, de comportamento social e espiritual. Estar pronto para usar desvairadamente, usando e se recuperando do uso tornam-se atividades da vida do adicto. O comportamento e procura de drogas torna-se o único objetivo de vida. Nada mais importa, nem a própria vida.

Fases da Negação.

1 – Estágio inicial: poucos problemas observáveis.

2 – Estágio Médio: Problemas não ligados com o uso.

3 – Estágio Crônico: muito doente para pensar racionalmente.

Pensamento Falso.

Os adictos ajustam-se a doença para que, por um tempo, sejam capazes de continuar funcionando, embora doentes.
O adicto é capaz de negar a existência de adicção.
A negação bloqueia a motivação para a recuperação.

O que descreveremos a seguir é um ciclo de adicção que leva o adicto a uma armadilha mortal:

1 – Gratificação a curto prazo: A pessoa sente-se bem agora, há um forte ganho a curto prazo, que leva você a assumir que a droga ou comportamento é bom.

2 – Dor a longo prazo: A gratificação a curto prazo é seguido por dor a longo prazo. Essa dor, parte da qual é devida à abstinência física, e parte por dificuldade de funcionar psico-socialmente sem drogas, é conseqüência direta do uso de drogas adictivas.

3 – Pensamento Adictivo: A dor a longo prazo e a disfunção deflagram o pensamento adictivo. O pensamento adictivo começa com a obsessão e compulsão.
Obsessão é um pensamento contínuo sobre os efeitos positivos do uso do álcool e das drogas. Compulsão é um impulso emocional ou necessidade de usar a droga para conseguir o efeito positivo embora saiba que vai murchar ao longo da caminhada. isso leva a negação e a racionalização para permitir o uso continuado. Negação é a incapacidade de reconhecer que há um problema. Racionalização é atacar outras situações e pessoas, por problemas, em vez do uso da droga.

4 – Aumento da Tolerância: Sem sentir o que está acontecendo, necessita-se cada vez mais droga para produzir o mesmo efeito.

5 – Perda de Controle: A obsessão e a compulsão tornam-se tão urgentes que não pode pensar em mais nada! Sentimentos e emoções ficam distorcidas pela compulsão.
Fica-se enterrado, desconfortável até que o impulso para usar é tão forte que não se consegue resistir.
Uma vez usado o adictivo químico ou os comportamentos adictivos novamente, o ciclo começa outra vez.

6 – Danos Bio-Psico-Sociais: Danos para a saúde, mente e relações com outras pessoas. Desenvolve-se uma armadilha mortal. Precisa usar adictivos para sentir-se bem o que aumenta a dor que aumenta a necessidade de adictivos.

Recuperação.

Qualquer uso, por menor que seja, manterá a adicção ativa. Abstinência é o primeiro passo necessário para a recuperação.
Em muitos casos a escolha de parar de usar não é suficiente para se conseguir sobriedade duradoura e recuperação a não ser que, a decisão seja acompanhada de tratamento de algum tipo.
O primeiro passo no tratamento é desintoxicação.
A síndrome de abstinência aguda que aparecer, deve ser tratada por um médico.

A Desintoxicação Sozinha Não É Um Tratamento.

Desintoxicação sozinha não é tratamento adequado, para manter a abstinência, se requer muito mais. a recuperação requer mudanças duradouras físicas, psicológicas, de comportamento, sociais e espirituais.
É necessário para os pacientes adictos, aprender o mais possível sobre sua doença e como manejá-la.
Aconselhamento individual e em grupo. Pesquisar as causas da adicção geralmente não é produtivo.
Os tratamentos de mais sucesso combinam os princípios dos doze passos do Alcoólicos Anônimos com aconselhamento profissional e terapia.
Algumas pessoa durante a recuperação enfrentarão problemas específicos.
Isto pode incluir dificuldades financeiras, problemas conjugais, desordens emocionais ou psicológicas.
Administrar inclui entender e aceitar estes sintomas que interferem com a habilidade de se lembrar, pensar claramente e administrar sentimentos e vencer a vergonha, culpa e o medo de ficar louco que está muitas vezes ligado a estes sintomas. Inclui reduzir e administrar o stress, retreinamento da memória e uma vida equilibrada. A primeira regra da boa saúde física para a pessoa em recuperação inclui a abstinência de todas as drogas que alterem o humor.
Boa nutrição é vital para a recuperação. substâncias que causam stress como doces concentrados, cafeína e nicotina deveriam ser evitados.
Papeis, regras e rituais da família devem ser redefinidos e reestruturados. Toda a família precisa se recuperar junto.













CAPÍTULO III.

Síndrome da Abstinência Demorada.

Quando a maioria das pessoas pensam sobre alcoolismo, pensam somente nos sintomas baseados no álcool e esquecem dos sintomas baseados na sobriedade. A presença de disfunção no cérebro foi documentada em 75-95% dos alcoólicos testados.
Síndrome de abstinência demorada pode contribuir em muitos casos de recaída.

Síndrome: Um grupo de sintomas.
Abstinência Demorada: Sintomas após abstinência aguda.

Os sintomas da síndrome de abstinência demorada geralmente atingem uma intimidade de pico de três a seis meses após o início da abstinência. A recuperação dos danos do sistema nervoso requerem normalmente de seis a vinte e quatro meses, com ajuda de um saudável programa.

Sintomas da Síndrome de Abstinência Demorada.

A característica que identifica melhor é a falta de capacidade para resolver problemas, geralmente simples.
São eles:
- A incapacidade de pensar com clareza;
- Reações emocionais exageradas;
- Problemas de memória;
- Distúrbios do sono;
- Problemas de coordenação física;
- Problemas para lidar com o stress.

Estrutura da Síndrome de Abstinência Demorada.

Os sintomas da síndrome de abstinência demorada variam de pessoa para pessoa.
A síndrome de abstinência demorada por um período de tempo, pode melhorar, pode piorar, ficar no mesmo, ou pode ir e vir.
É mais fácil pessoas com síndrome de abstinência demorada regenerativa recuperarem-se porque o cérebro rapidamente volta ao normal.
Pessoas com síndrome de abstinência demorada degenerativa tendem recair; a sobriedade fica dolorosa e se automedicam com álcool ou drogas, para acabar com a dor.
Pessoas com síndrome de abstinência demorada estável experimentam o mesmo nível de sintomas por um longo período de tempo na sobriedade.
Em pessoas com síndrome de abstinência demorada intermitente, os sintomas vêm e vão.
A estrutura mais comum de síndrome de abstinência demorada é a regenerativa, que com o tempo passa para intermitente.
É preciso construir uma resistência contra eles – uma maneira segura que baixa seu risco.

Como Lidar Com Os Sintomas da Síndrome de Abstinência Demorada.

Condições que colocam em alto risco de experimentar a síndrome de abstinência demorada geralmente são falta de cuidado pessoal e falta de atenção no programa de recuperação. se o adicto quer se recuperar sem uma recaída, precisa estar consciente dos sintomas de stress na sua vida, pois isso pode aumentar o risco de experimentar síndrome de abstinência demorada.
Como não pode se sair de todas situações de stress, é necessário preparar-se para lidar com elas quando ocorrerem.
Não é a situação que quebra a pessoa em pedaços, é a reação perante a situação.




Educação e Retreinamento.

Comportamento auto-protetor: Você deve aprender comportamentos que o protegerão do stress e que podem ameaçar a sobriedade. este comportamento auto-protetor é o que lhe capacitará a ser firme e aceitar suas próprias necessidades e não permitir que outras pessoas ou situações leve você a reações que não são o melhor para sua sobriedade. Para stress desnecessário, você deve se proteger primeiro identificando o que aciona o stress, aquelas situações que podem levar a uma reação exagerada. Então aprender a mudar essas situações, evitá-las, mudar reações, ou aprender a interrompê-las antes de perder o controle.

Nutrição.

Dieta correta, exercícios, hábitos regulares, atitudes positivas, todas representam partes importantes em controlar a síndrome de abstinência demorada. Relaxamento pode ser usado como uma ferramenta para retreinar o cérebro a funcionar corretamente e reduzir o stress.
Dieta correta para uma pessoa em recuperação:
- Três refeição bem balanceadas diariamente.
- Três nutritivos lanches diariamente.
- Evitar açúcar pois causa altos e baixos no humor, e cafeína que causa nervosismo e desconforto; além de poder interferir no sono.

Estabilização:

Aqui estão algumas sugestões que podem ajudar a perceber o que está acontecendo e ajudar a interromper os sintomas antes que fiquem fora de controle:

Verbalização.

Comece a compartilhar com pessoas que não vão acusar, criticar ou minimizar.
Livre Expressão: Expressar tanto quanto puder sobre o que você está pensando e sentindo mesmo se parecer irracional e infundado.

Testando a Realidade: Pergunte a alguém se o que você fez ou falou, faz sentido.

Trilhando Para Trás: Pense sobre o que aconteceu. Você pode identificar como o episódio começou? O que deslizou mais rápido? Pense nas outras vezes que teve sintomas de síndrome de abstinência demorada. O que iniciou? Como terminou? Existem outras opções que poderiam funcionar melhor ou mais rápido?

Exercício.

Exercícios ajudam a reconstruir o corpo e o mantém em bom funcionamento, reduzindo o stress. O exercício produz química em seu cérebro que fazem você se sentir bem. Estas químicas são os próprios tranquilizantes naturais que aliviam a dor, a ansiedade e a tensão. Recomendamos uso regular de exercícios aeróbicos, correr, nadar, pular corda, andar de bicicleta. Dançar também, é aeróbica.

Relaxamento.

Exemplos: rir, jogar, ouvir música, contar histórias fantasiando, ler, receber ou fazer massagem. Não se pode negligenciar.

Vida Equilibrada.

Significa que se é saudável fisicamente e psicologicamente e que se tem relacionamentos saudáveis. Significa que espiritualmente se é inteiro, que não mais olha apenas um aspecto em sua vida. Significa que se está vivendo com responsabilidade, dando a si mesmo, tempo para trabalhar, para família, amigos; assim como tempo para seu próprio crescimento e recuperação. significa permitir que um Poder Superior trabalhe na sua vida. Com uma vida equilibrada, a gratificação imediata com a maneira de viver que é abandonada para conseguir uma vida completa e com significado. Nutrição, descanso, exercício, reconstruir o corpo danificado.
Vida equilibrada precisa de uma forte rede social que alimente e encoraje um saudável e orientado caminho para a recuperação do estilo de vida. Uma rede social saudável dá uma sensação de fazer parte. Inclui relações nas quais você sente que é uma parte valiosa. Inclui os membros da família mais próximos, amigos, parentes e colegas, consultores, empregador, membros de grupos de Alcoólicos Anônimos ou Narcóticos Anônimos e padrinhos.

























CAPÍTULO IV.

Uma vez aceito isso, a Segunda tarefa da recuperação é a abstinência. Abstinência total é necessária. Isso significa nada de álcool, de nenhuma espécie de drogas, nem pílulas para dormir, enfim nenhum tipo alterador do humor.
A terceira tarefa é reconhecer a necessidade um programa de recuperação diária para dar apoio e assistência em continuar sóbrio, um dia de cada vez.
O processo de recuperação é evolucionário. Isso significa que a recuperação é um processo de crescimento e desenvolvimento que progride de tarefas básicas para outras mais complexas. Esta progressão começa com a abstinência (aprender como parar de usar álcool e drogas) depois para a sobriedade (aprender a lidar com a vida sem álcool ou drogas), depois para uma vida confortável (aprender a viver confortavelmente, enquanto abstinente), depois para uma vida produtiva (aprender como construir uma maneira de viver sóbrio significativamente.


Período de Evolução:
Objetivo:

1 – Pré-tratamento


Reconhecer a adicção.

2 – Estabilização

Lidar com a crise de abstinência

3 – Recuperação Inicial


Aceitação e como lidar com não químicos.

4 – Recuperação Média


Vida equilibrada

5 – Recuperação final


Mudança de personalidade


O Período de Pré-Tratamento.

O período de pré-tratamento é reconhecer a presença da doença da adicção.
É importante entender que o pré-tratamento descreve o processo continuado dentro da pessoa dependente quimicamente.
É possível, por exemplo uma pessoa ser submetida a um tratamento forçado por estar dirigindo embriagada, antes de aceitar que a bebida é um problema.

Pré-Tratamento.

Aprender pelas conseqüências que não se pode usar adictivos químicos com segurança.

O período de Recuperação Inicial.

Durante o período de recuperação inicial o objetivo principal é aceitar a doença da adicção e aprender como funcionar sem drogas e álcool. O objetivo é também, ensinar a viver tão normal quanto possível com o uso de um programa de recuperação.

Recuperação inicial.

Aceitação da doença da adicção é aprender a funcionar sem drogas e álcool.

O Período de Recuperação Médio.

Durante o período de recuperação médio o objetivo principal é a mudança no estilo de vida. Você estabeleceu uma maneira de viver centrada na adicção, um estilo de vida que requer o uso de adictivos químicos para lidar com o stress que resulta da adicção. Agora sua vida deve ser centrada na sobriedade. ao invés de focalizar sobre não usar, focaliza sobre uma vida normal, trabalho e família.

Recuperação Média.

Desenvolver um estilo de vida normal e equilibrado período de recuperação final.

O objetivo principal do período final de recuperação é a mudança de personalidade pela evolução de uma vida saudável, de uma saudável auto-estima, a capacidade para relações íntimas saudáveis e a habilidade para viver feliz e produtivamente.
É hora de avaliar valores pessoais. Crenças, estruturas de vida, trabalho, família, relacionamentos, inclusive os íntimos, verificar dinâmicas da família na qual você cresceu, etc.
O propósito do final da recuperação é desenvolver sistemas de crenças, sistemas de valor e ter habilidade para uma vida plena e produtiva.
Quando sua maneira de viver é estabilizada, você começa a querer um pouco mais. Pode ser um tempo perigoso porque sua personalidade adictiva pode querer levar você a uma maneira de viver dependente. Você precisa perceber que o propósito da vida não é esquecer de tudo e de todos nem tampouco escapar da realidade.
Quando você queria viver pela via rápida, você sabia como conseguir uma gratificação imediata. Para viver uma vida mais completa você precisa fazer mudanças que podem ser temporariamente dolorosas. No final da recuperação você vê qual é o seu propósito de vida e decide mudar os valores que irão lhe permitir uma vida mais expressiva.

Recuperação Final.

O Período de Manutenção.

O objetivo principal do período de manutenção é uma vida sóbria e produtiva. Isto envolve manter um programa de recuperação efetivo, identificar sinais de aviso de recaída, resolver os problemas diários, e uma vida produtiva. Agir sempre com honestidade nos relacionamentos pessoais.

Recuperação Parcial.

Recuperação da doença adictiva não é um processo de crescimento em linha reta. Muitas pessoas se recuperam em estágios oscilantes. É comum para pessoas em recuperação recaírem. Isto muitas vezes acontece quando não estão tentando colocar o novo conhecimento para fracionar o stress da mudança os pega por algum tempo e então param.
Muitas pessoas em tratamento não fazem todo o caminho do processo de recuperação. a recuperação parcial começa quando eles confrontam uma tarefa de recuperação que acham ser incontroláveis ou intransponíveis. A isso é chamado de “ponto de estrangulamento”. A conseqüência é que permanecem desconfortáveis e experimentam uma sobriedade de baixa qualidade.
Uma saudável e produtiva resposta para atingir um ponto de estrangulamento é atrasar um pouco para baixar o stress. O passo seguinte é examinar racionalmente o ponto de estrangulamento discutindo-o com outras pessoas e então procurar ajuda apropriada para lidar com isso.
A recuperação parcial começa quando o ponto de estrangulamento é negado. A pessoa diz: “Está tudo bem com minha recuperação. não há nada de errado comigo.”
A negação do ponto de estrangulamento produz um aumento de stress. A síndrome de abstinência demorada se desenvolve mais rapidamente e vai piorando. Há dificuldade com relacionamentos, não se consegue manejar sentimentos e emoções, lembrar coisas, reconhecer e lidar com stress, ter um sono tranqüilo, há tendência a sofrer acidentes. Não conseguem lidar com esses sintomas da síndrome de abstinência demorada e como agem por isso agem com mais negação. Fatalmente se tornam “adictos secos”, ou recaem em seu vício; ou ainda criam compulsões que aliviam o stress temporariamente porém, produz problemas adicionais duradouras.
Exemplos das compulsões substitutas: comer demais, gastar demais, trabalhar demais enfim, exagerar em todos aspectos.
Eventualmente o stress leva a ativação do processo de recaída e estas pessoas começam a perder o controle.
Quando a perda de controle força a consciência, eles vêm o manuscrito na parede – se continuarem fazendo o que estão fazendo, usarão álcool ou drogas, ficarão loucos ou tentarão o suicídio para se livrar da dor. É hora de reativar seus programas de recuperação e estabilizar a vida.
Quando o stress aumenta, os sintomas pós agudos começam a se desenvolver e a piorar. Eventualmente o stress torna-se tão severo que o processo de recuperação, marcado por uma disfunção progressiva interna e externa, começa a se desenvolver. A pessoa reconhece o risco de recaída.
Repete-se o ciclo reativando o programa de recuperação e progride até o ponto de estrangulamento ser alcançado. O ciclo começa de novo. Às vezes, eles reconhecem a progressiva perda de controle que precede um episódio de recaída aguda. O medo de recaída os motiva a tomar alguma ação para colocá-los devolta ao processo de recuperação, onde eles ficam confortáveis. Esse ciclo pode-se repetir com a mesma estrutura várias vezes. O Livro Grande de Alcoólicos Anônimos chama isto de “meias medidas.”
A qualidade de sua sobriedade poderia melhorar muito se reconhecesse a necessidade para resolver os sucessivos problemas de sua vida que periodicamente o levaram-na a pensar em beber ou usar.
Você pode reconhecer os pontos de estrangulamento e passar além deles para a recuperação total.

Administração dos Sinais de Aviso.

Preciso ter planos concretos para prevenir e parar os sinais de aviso.
Se você quer evitar a recaída, precisa ver cada sinal de aviso que experimentou no passado e formular um plano para lidar com eles. Determinar o que se irá fazer quando reconhecer que um sinal de aviso de recaída está acontecendo em sua vida. Como pode ser interrompida a síndrome de recaída? Que ação positiva pode-se tornar que removerá o sinal de aviso de recaída?
Liste várias opções ou possíveis soluções. Teste-as. Se a resposta nova falhar para interromper o sinal de aviso, estabeleça um plano novo mais efetivo.

Treinamento de Inventário.

Preciso fazer um inventário duas vezes por dia para que possa perceber os primeiros sinais de problemas e corrigir os problemas antes que fiquem fora de controle.
Qualquer programa de recuperação com sucesso envolve um inventário diário. (décimo passo Alcoólicos Anônimos).
Um inventário diário é necessário para ajudar a identificar os sinais de aviso de recaída antes da negação ser reativada.
Sem um inventário diário, o adicto irá ignorar os sinais iniciais, e então será incapaz de interromper a síndrome de recaída quando se torna mais aparente.
Para um plano de prevenção de recaída é necessário projetar um sistema de inventário especial que monitora os sinais de aviso de uma recaída em potencial.
Para que um inventário diário se torne um hábito, recomenda-se que sejam estabelecidos dois rituais.
O primeiro deveria se pela manhã. Abra um espaço de cinco a dez minutos ler a meditação do livro “vinte e quatro horas” e fazer um resumo de seus planos para o dia. pergunte-se se você está preparado peste dia e o que você pode fazer que lhe ajudará fisicamente e emocionalmente a enfrentar os desafios do dia e manter uma sobriedade confortável.
O segundo ritual deveria ocorrer à noite. Reveja as tarefas do dia. identifique o que você manuseou bem e o que precisa melhorar.
Olhe atentamente a sua lista de sinais de recaída. Existem outros sinais de aviso à serem acrescidos à sua lista?
Pode ser útil manter um diário para rever seu progresso na recuperação e para acompanhar os sinais de recaída. Através de um inventário feito duas vezes, de manhã e à noite, é possível perceber os sinais de recaída, e fazer algo para para-los antes de perder o controle.

Rever o Programa de Recuperação.

Seu programa de recuperação anterior funciona bem para você?
Para cada problema, sintoma ou sinal de aviso, seu programa tem que ter algo que o ajude a lidar com a situação.

Envolvimento Com os Outros.

Preciso pedir aos outros que me ajudem a continuar sóbrio falando-lhes sobre meus sinais de aviso e pedindo por um retorno se eles verem quaisquer sinais aparecerem.
Recuperação total envolve a ajuda e apoio de uma variedade de pessoas. Principalmente de pessoas significativas em nosso envolvimento. Exemplo: membros da família, colegas de trabalho e companheiros de Alcoólicos Anônimos podem ser úteis em ajudar a reconhecer sinais de aviso enquanto ainda é possível fazer algo sobre eles.
Reúna as pessoas da vida do adicto para a reunião. Explique a eles a lista de sinais de aviso pessoais e forme um contrato com cada pessoa de apoio sobre o que ele deverá fazer quando os sintomas de recaídas forem percebidos e o que eles farão se o adicto começar a usar.
Procure um grupo que trabalha em conjunto com Alcoólicos Anônimos e que é o “grupo de auto ajuda de prevenção de recaída” (informe-se dentro do Alcoólicos Anônimos).

CAPÍTULO V.

Crenças Errôneas Sobre Recuperação e Recaída.

Quanto mais se entender e conhecer sobre recaída, menor será o risco de experimentá-lo e será menos ameaçadora.
Recuperação não é abstinência do uso do álcool e droga. Abstinência é apenas um pré-requisito para a recuperação. A recuperação verdadeira envolve realizar uma série de tarefas diariamente que permitem lidar com a síndrome de abstinência aguda e demorada e a correção de danos bio-psico-sociais causados pela adicção. Em outras palavras, recuperação é muito mais que apenas não usar álcool ou drogas. Se a crença que apenas não usar produzirá recuperação, a pessoa se surpreenderá com a disfunção causada pelos sintomas baseados na sobriedade, da adicção.

Vamos ver uma seqüência principal de mal entendidos:

1 – Recuperação é abstinência do álcool e drogas.

2 – Recaída é usar alce drogas.

3 – Desde que não beba ou use, estou em recuperação.

4 – Desde que eu volte a beber ou usar, estarei recaído.

5 – Desde que não beba ou use, estarei com o controle de mim mesmo e de meu comportamento.

Conclusão 1= Recaída é sempre resultado de uma escolha consciente e deliberada de usar álcool ou drogas.

Conclusão 2 = Minha primeira tarefa na recuperação é não usar álcool nem drogas.


Recaída não ocorre subitamente e espontaneamente sem aviso.

A verdade é que existem muitos sinais de aviso que precedem uma recaída.
Pessoas que acreditam que recaída é somente usar álcool ou drogas, somente identificaram sinais de aviso relacionados a beber ou usar drogas. São eles:

. Pensar sobre o uso de álcool e drogas;

. Desenvolver uma compulsão para usar álcool e drogas;

. Parar de participar nos grupos de auto-ajuda ou outras atividades da recuperação;

. Parar de participar nos grupos de auto-ajuda ou outras atividades da recuperação.

Crenças Errôneas Sobre Os Sinais de Recaída.

. Uma vez que estou consciente dos sinais de aviso, sempre poderei lidar com eles se eu quiser.

. Os sinais relacionados ao uso de bebidas ou drogas não devem ir às reuniões de Alcoólicos Anônimos.

. Sempre sei quando experimento estes sinais de aviso de recaída.

. Uma vez que sei os sinais de aviso, serei capaz de lidar com eles se quiser.

. Desde que não estou pensando embeber ou usar estou indo às reuniões, então está tudo bem.

O problema cessas crenças é muito sério. Pensar em, usar álcool ou drogas, sentir compulsão para usar, se colocar em situações de uso de álcool e/ou drogas e parar com atividades de recuperação, são sinais de aviso de recaída muito sérios. Estes sinais aparecem muito tarde no processo de recaída. Quando surgem, muitos adictos já perderam o controle de seu julgamento e comportamento.

Crenças Erradas Sobre Motivação.

Algumas pessoas por recaírem e verem outros, até com certa freqüência recaírem, desenvolvem algumas maneiras de explicar o porquê. E surgem os mal entendidos.

. Se eu recair eu não estou motivado para me recuperar.

. Eu me recuperarei quando me magoar bastante devido ao uso de álcool e drogas.

. Se eu recaio é porque não sofri o suficiente para querer continuar sóbrio.

Conclusão: Pessoas com propensão à recaída precisam sofrer mais para interromper suas escrituras de recaída.

Esta é uma conclusão devastadora para pessoas propensas à recaída. Muitas pessoas propensas à recaída estão numa dor terrível. A dor é tão forte que não permite que funcionem sóbrios e lhes tira os benefícios de seu programa de recuperação.

Crenças Erradas Sobre o Tratamento.

. Nenhuma forma de tratamento ou grupo de auto-ajuda pode me ajudar a continuar sóbrio (me desiludi com o grupo – nada valeu).

. Não adianta fazer outro tratamento. Não consigo ficar bem ( o problema é comigo).

Tenha em mente: São boas as chances de que com um plano de prevenção de recaída você consiga uma sobriedade duradoura.




































CAPÍTULO VI.

Entendendo a Recaída.

Alguns profissionais usam o termo: “sedativismo” em vez de “alcoolismo” porque o problema não é o álcool, mas a reação do corpo a drogas sedativas.
Assim, recaída começou a significar o uso de qualquer droga calmante (incluindo o álcool) ou qualquer droga alteradora do humor.
O foco é aprender a viver efetivamente e confortavelmente sem o uso de adictivos. Isto nos leva ao conceito de que recaída tem muito a ver com o modo que o indivíduo funciona e não se ele está usando álcool ou drogas.
O processo de recaída inclui tornar-se disfuncional na sobriedade. E inclui saúde física, psicológica e social nesse processo. A disfunção em Alcoólicos Anônimos chama-se “pensar abobrinha”. Que leva a mudança de comportamento. Em Alcoólicos Anônimos a mudança de “acompanhamento”. O que finalmente leva a uma mudança disfuncional na sobriedade que no Alcoólicos Anônimos chama-se “adicto seco”.
Com o aumento do entendimento do processo de recaída, o foco da vida não é apenas usar ou não usar mas sim, lidar com os sintomas baseados na sobriedade. isto permite que a vida seja centrada numa vida saudável, sem álcool ou drogas. Isto encoraja a aprender e reconhecer os sinais de aviso iniciais de recaída, antes de ser forçado a começar o uso de adictivos num esforço para se livrar destes sintomas. Se o uso de químicos fosse o único indicador de recaída, o simples fato de estar abstinente faria acreditar que está tudo bem.

O Papel das Adicções Substitutivas.

A razão primeira é física. O corpo fica dependente deste tipo de droga e responderá da mesma maneira às drogas parecidas. Por isso, uma pessoa pode ficar dependente de vários tipos de drogas (adicto cruzado).
O dependente químico precisa contar com uma primeira droga de escolha para lidar com a vida. Se ele fica sem usar esta droga, simplesmente substitui por uma nova droga e pode desenvolver dependência desta nova droga. Porém, esta droga substituta não é suficiente para suprir a dor física. Então, a pessoa volta a sua preferência com o agravante de depender também desta nova.

O Papel Do Comportamento Compulsivo Na Recaída.

Comportamentos compulsivos fazer você sentir-se bem no momento mas lhe enfraquecem com o passar do tempo.
Comportamento compulsivo pode ser dividido em nove grupos:

1. Comer exageradamente. (bulimia)
2. Fazer dietas exageradas. (anorexia)
3. Jogar: A necessidade compulsiva de arriscar.
4. Trabalhar/realizar. (como se não tivesse tempo pra nada.
5. Exercícios: (esforço físico exagerado e repetitivo).
6. Busca de emoções: necessidade de grandes emoções ou intenso stress.
7. Fuga: a necessidade compulsiva de evitar as rotinas.
8. Sexo: a necessidade insaciável por sexo.
9. Gastar: necessidade para comprar, exageradamente.

Saídas Positivas Versus Comportamento compulsivo.

Saída positiva é uma atividade que dá prazer livre de dor. Exemplos:

. Exercícios saudáveis: descarga prazerosa de energia.

. Sexo saudável: a expressão sexual entre pessoas que se amam e se preocupem com o outro, é uma alegria e uma vantagem para os parceiros.

Se uma pessoa deseja uma sobriedade de alta qualidade e evitando uma recaída, é aconselhável evitar comportamentos compulsivos, identificar e praticar as inúmeras saídas positivas que dão prazer.

Negação Baseada Na Sobriedade.

É mais fácil dizer: “está tudo bem agora que parei de beber ou usar”, do que admitir que você precisa seguir cuidadosamente um programa de recuperação, para o resto de sua vida.
Você pode enfrentar a realidade dolorosa tirando-a fora de sua percepção consciente, mas existe um preço. Este preço pode ser a recaída.
Ao longo do caminho existem sinais de alerta de que o processo de recaída esteja ocorrendo. Se é desconfortável ou ameaçador conhecer estes sinais de aviso, é fácil apagá-los da consciência ou “torcê-los para uma realidade mais aceitável.” Isso te ajudará a ficar mais seguro e confortável agora. Mas permitirá que o processo de recaída continue e reuna impulso até ficar fora de controle.
Os sintomas de recaída se desenvolvem a um nível subconsciente. Você não os percebe até perder o controle. Quando suas percepções, seu julgamento e seu comportamento estão fora de controle, você provavelmente será incapaz de interromper o processo de recaída antes, e resulta num episódio de recaída agudo.
Os sinais de aviso começaram com pequenas mudanças no pensamento e no comportamento. Você se convencerá que a sua dependência química não é mais um assunto prioritário. Outras coisas tornam-se mais importantes. Você começará a usar velhos comportamentos em vez de novos que você aprendeu e que fazem parte do seu programa de recuperação.
Lançar mão de um grupo (informe-se no Alcoólicos Anônimos) de plano de prevenção de recaída é o processo de trazer os sintomas de recaída ao nível consciente e agir de uma maneira que permita removê-los de sua vida.

CAPÍTULO VII.

A Síndrome da Recaída.

Recuperação da adicção deve ser um processo ativo. As pessoas em recuperação precisam trabalhar um programa diário de recuperação. precisam se lembrar diariamente que sofrem de uma adicção.
Recuperação é como subir numa escada rolante ao contrário (ela descendo e nós subindo). Enquanto ela vem em sentido contrário, é impossível a nós ficar parado. Quando se pára de ir em frente, acha-se indo para trás. Não é necessário fazer algo em particular para desenvolver sintomas que levam à recaída. Os sintomas desenvolvem-se espontaneamente na falta de um programa de recuperação forte.

Síndrome da Recaída/SAD (Administração).

Os sintomas se desenvolverão, crescerão, progredirão. Existem muitos súbitos sinais de aviso e muitas mudanças nos pensamentos, nas emoções e na personalidade que ocorrem antes da perda de controle. Finalmente se perderá o controle de si mesmo. Não se trata de tomar apenas uma dose, trata-se de uma progressão que cria uma crescente necessidade por álcool ou drogas. Esta progressão é o que chamamos de síndrome da recaída.
A recaída geralmente não é um processo consciente. Estudos mostram que as pessoas recaindo geralmente não estão conscientes dos sinais de aviso iniciais de sua recaída. Mais tarde, quando olham para trás, podem ver quando começam a errar, mas na hora que está acontecendo são incapazes de perceber que estes problemas estão se formando e crescendo.
O processo geralmente começa com mudança. Mudança é uma parte normal da vida, mas uma grande causa de stress.
O stress elevado intensifica os sintomas de abstinência demorada mas sua negação não lhe deixa ver o que está acontecendo. Se não foi feito nada, os sintomas da síndrome de abstinência demorada aumentam. Perde-se o controle de pensamentos, emoções e memória. Não pensa com clareza, reage com exagero, não consegue lembrar-se de coisas simples. O stress aumenta e perde-se o controle da capacidade de pensar, sentir e lembrar. Não age da mesma maneira, trata as pessoas diferente, interage de uma maneira diferente e há um colapso na estrutura social.
Na realidade, toda a estrutura da vida cai. Muda sua rotina diária. Abandona hábitos regulares que davam à vida consciência e segurança. Seus planos de recuperação são negligenciados e evitados.
Finalmente perde-se o controle de julgamento. Você faz escolhas ruins que em estado normal nunca faria. Como resultado, comete-se enganos criando uma crise.
O processo da recaída começa muito antes da pessoa começar a usar. Lembre-se ela começa no subconsciente.
Lidar com sintomas da síndrome de abstinência demorada é o melhor método de prevenção da recaída. Porém, quando você já está num episódio de disfunção, pode ser muito tarde para utiliza-los e você precisará de alguma ajuda para se estabilizar e evitar uma progressão.
Existem pessoas que preferem morrer que beber. Levam isso ao pé da letra e realmente acabam se suicidando. Parece até que é brincadeira mas não é. É muito triste ver tais fatos porque é possível se recuperar do uso do álcool ou drogas, mas não é possível se recuperar da morte.

Sintomas de Recaída:

Fase I: Sinais de Aviso de Recaída Internos.

1.1– Dificuldade de pensar com clareza ou resolver problemas, geralmente simples.

1.2– Dificuldades em lidar com sentimentos e emoções. Oscilam entre: humor, depressão, ansiedade, medo.


1.3– Dificuldades em lembrar coisas.
As coisas novas que aprendem, evaporam de suas mentes em vinte minutos.

1.4– Dificuldades em lidar com o stress.
Devido a tensão constante existe dias em que o esforço torna-se tão forte que não são capazes de funcionar normalmente e sentem que vão ter colapso físico ou emocional.

1.5– Dificuldade em dormir tranqüilamente. (sono completamente desregulado).

1.6– Dificuldades com a coordenação física e acidentes são comuns.
Tonturas, problemas de equilíbrio, dificuldades de coordenação entre os olhos e as mãos, ou reflexos fracos.
Estes problemas criam inércia e propensão a acidentes.

1.7– Vergonha, culpa e desesperança.
As vezes as pessoas em recuperação sentem muito vergonha porque acham que estão loucas, perturbadas emocionalmente, deficientes como pessoas, ou incapazes de serem ou sentirem-se normais. Sentem culpa por achar que estão fazendo algo errado ou falhando no programa de recuperação.

Tentam sozinhos lidar com esses sinais de aviso, mas falham. Por isso começam a acreditar que não têm mais esperança.









Fase II: Volta a Negação.

Não falam honestamente aos outros o que está acontecendo.

2.1 – Preocupação sobre o bem estar.
Os sinais de aviso internos levam muitas pessoas a sentirem-se inquietas, assustadas e ansiosas. As vezes têm medo de não serem capazes de continuar sóbrias. Esta inquietação vem e vai e geralmente dura pouco tempo.

2.2 – Negação da preocupação.
A negação é tão forte que não sentem consciência dela enquanto a mesma está acontecendo. Somente quando pensam de volta na situação, mais tarde, é que são capazes de reconhecer os sentimentos de ansiedade e sua negação.


Fase III: Impedimento e Comportamento Defensivo.

3.1 – Acreditar que “eu nunca mais vou beber.”
Pessoas em recuperação se convencem de que nunca mais vão usar ou beber novamente. Quando acreditam firmemente que nunca mais vão beber ou usar, a necessidade por um programa de recuperação diário parece menos importante (esquecem que é só por 24 horas).

3.2 – Se preocupam com os outros em vez de si próprios.
Julgam a todos em seu redor (desde o modo de beber, até seus métodos de recuperação. no Narcóticos Anônimos e Alcoólicos Anônimos isso se chama: “trabalhar com o programa dos outros.”

3.3 – Ficam na defensiva:
Defendem-se quando falam de seus problemas, mesmo que não seja necessário.


3.4 – Comportamento compulsivo.
(“Obcecados”, com idéias fixas ou rígidas) na maneira que pensam ou se comportam.

3.5 – comportamento impulsivo:
Estruturas do comportamento compulsivo começam a ser interrompidas por reações impulsivas.

3.6 – Tendência a solidão:
Gastam o tempo sozinhos. Sempre têm boas razões e desculpas para ficar longe das outras pessoas. Se enclausuram no quarto, e dele fazem seu mundo. Não há um pedido de socorro sequer.


Fase IV: Construindo A Crise.

4.1 – Visão de túnel.
(Visão de túnel é ver somente uma pequena parte da vida e não conseguir uma “visão panorâmica”).
As pessoas não conseguem ver a vida como um todo, mas, sim, focalizam em uma parte sem olhar as outras partes ou como elas se relacionam. Às vezes isso cria a crença errada de que tudo está seguro e indo bem. Outras vezes pequenos problemas se tornam uma explosão e ficam fora de proporção.

4.2 – Depressão secundária. (leve)
Sintomas de depressão começam a aparecer e persiste.

4.3 – Deixar de planejar constantemente.
Quanto mais fazem planos que não são realistas e sem prestar atenção aos detalhes. Ficam apáticos.
Planos são baseados mais em fatos que gostariam que fossem realidade (como gostariam que fossem as coisas) do que a realidade (como as coisas realmente são).



4.4 – Planos começam a falhar.
Porque fazem planos que não são realistas e sem prestar atenção em detalhes, os planos começam a falhar. Cada fracasso causa novos problemas na vida.

Fase V: Pensamentos abstratos e de impotência.

5.1 – Devaneios e ilusões.
É a síndrome do “Se”. Fuga através de ilusões por algo improvável de acontecer e “cabeça no mundo da lua.”

5.2 – Desejo imaturo de ser feliz.
A crença de que “fiz o melhor que pude e a recuperação não está funcionando” começa a se desenvolver.

5.3 – Sentimentos de que nada pode ser solucionado.
Um desejo vago “de ser feliz” ou ter as coisas funcionando. Usam de um pensamento mágico. Desejam que as coisas melhorem sem fazer nada para melhorá-las, sem pagar o preço para que as coisas melhorem.


Fase VI: Confusão e super reação.

6.1 – Períodos de confusão mais freqüente, ficam zangados por se julgarem incapazes de resolver as coisas.

6.2 – Irritação com os amigos.
As relações com os amigos, consultores e membros de Alcoólicos Anônimos ou Narcóticos Anônimos ficam tensas. As pessoas em recuperação podem se sentir ameaçadas quando os outros falam sobre as mudanças que estão notando em seu comportamento e humor.

6.3 – Irritado facilmente.
Podem experimentar raiva, frustração, ressentimento e irritabilidade sem uma razão real. O esforço para se controlar aumenta o stress e a tensão.

Fase VII: Depressão.

Neste período sem pessoas em recuperação ficam tão deprimidas que tem dificuldades de se manter na rotina diária. Às vezes podem ter pensamentos de suicídio, beber ou usar drogas como uma maneira de terminar com a depressão. A depressão é muito forte e persistente e não pode ser ignorado facilmente ou escondida dos outros. Os sinais de aviso mais comuns que ocorrem neste período são:

7.1 – Podem começar a comer demais ou comer pouco. Existe perda ou ganho de peso acentuados.

7.2 – Podem haver períodos em que são incapazes de iniciar ou de fazer qualquer coisa. Não conseguem se concentrar, sentem-se ansiosos, medroso e inquietos, e muitas vezes presos e sem saída.

7.3 – Hábito de sono irregulares (total descontrole).

7.4 – Perda da estrutura diária.
Alteração de sono; horários das refeições e descanso, compromissos; planejar eventos sociais.

7.5 – Período de profunda depressão.
A depressão é mais forte nas horas não planejadas e não estruturadas. Fadiga, fome e solidão tornam a depressão pior. Quando se sentem deprimidos, se separam das outras pessoas, ficam irrigadas, zangadas com os outros, e muitas vezes reclamam que ninguém se preocupa ou entende o que está acontecendo com eles.








Fase VIII: Perda de Controle do Comportamento.

8.1 – Participar irregularmente nas reuniões de tratamento e no Alcoólicos Anônimos.
Param de participar do Alcoólicos Anônimos e começam a perder as consultas marcadas para acompanhamento ou tratamento.

8.2 – Desenvolvimento de uma atitude de ”não tenho nada com isto”.
Tenta agir como se não tivessem nada haver com os problemas que estão acontecendo.

8.3 – Rejeição aberta de ajuda.
Se desligam das pessoas que podem ajudar.

8.4- Falta de satisfação com a vida.
Têm dificuldades em “começaras coisas”, têm problemas em pensar claramente, em se concentrar, e em pensar abstratamente: sentem que não podem fazer nada e começam a acreditar que não há saída.


Fase IX: Reconhecimento de Perda de Controle.

9.1 – Auto-piedade.
Começar a sentir pena de si mesmos e podem usar a auto-piedade para conseguir atenção no Alcoólicos Anônimos ou dos membros da família.

9.2 – Pensamentos de beber socialmente.
Eles acham que beber ou usar drogas iria ajudá-los a se sentirem melhor e começar a achar que podem beber ou usar normalmente e que podem se controlar.

9.3 – Mentiras conscientes.
Começar a reconhecer as mentiras, negação e desculpas, mas não podem interrompê-las.

9.4 – Perda completa de autoconfiança.
Sentem-se presos evencidas pela incapacidade de pensar claramente em agir. Daí vem a crença que sem inúteis e incompetentes. Porisso crêem não saber lidar com a vida.


Fase X: Redução de Opções.

10.1 – Ressentimentos insensatos.
Sentem raiva por causa da incapacidade da maneira que desejam. As vezes contra o mundo, contra pessoas ou si mesmos.

10.2 – Param todo o tratamento e o Alcoólicos Anônimos .
param de assistir reuniões de Alcoólicos Anônimos. Não tomam remédio. Os relacionamentos se acabam devido tensões e conflitos.

10.3 – Esmagadora solidão, frustração, raiva e tensão.
Se sentem totalmente esmagados. Acreditam que não existe saída a não ser beber, suicídio ou insanidade.

10.4 – Perda de controle de comportamento.
Dificuldades em controlar pensamentos, emoções, julgamentos e comportamentos.


Fase XI: Volta ao uso do químico ou colapso físico/emocional.

11.1 – Volta ao uso “controlado” de químicos.
Neste ponto muitas pessoas estão por demais desesperada e se convencem que é possível usar com controle.



11.2 – Vergonha e culpa.
O uso produz sentimentos de vergonha e culpa muito fortes. “fiz alguma coisa errada” e “sou uma pessoa defeituosa”.

11.3 – Perda de controle.
Aos poucos o uso leva ao descontrole. Usa mais que antes.

11.4 – Problema de vida e de saúde.
Casamento, trabalho e amizades são prejudicados.
Saúde física agrava-se e precisam de tratamento profissional.



CAPÍTULO VIII.

Plano de Prevenção da Recaída.

Muitas recaídas na adicção não são necessárias e muitos recaem porque não entendem o processo e o que fazer para preveni-lo. Ação apropriada da sua parte e das pessoas em sua vida podem prevenir ou interromper a síndrome da recaída antes que as conseqüências ficam trágicas. Um plano de prevenção de recaída (ppr) saberá que se está fazendo o necessário para evitar a recaída, poderá identificar os sinais de aviso iniciais e desenvolver um plano para interromper a síndrome da recaída se ela aparecer. Um plano de prevenção de recaída deveria ser uma parte essencial de seu programa de recuperação.

Plano de Prevenção de Recaída Minimiza Seu Potencial Destrutivo.

1 – Estabilização – conseguir autocontrole.
2 – Auto avaliação – descobrir o que acontece em sua mente, coração e vida.
3 – Educação sobre a recaída – aprender sobre a recaída e o que fazer para preveni-la.
4 – Identificação dos sinais de aviso de recaída pessoais.
5 – Administração dos sinais de aviso.
6 – Treinamento de inventário diário.
7 – Rever o programa de recuperação (ele tem que ajudar você a lidar com seus sinais de recaída).
8 – Envolvimento das pessoas significativas.
9 – Seguimento – atualizar seu plano de prevenção de recaída, regularmente.

Estabilização significa reconquistar o controle dos pensamentos, emoções, memória, julgamento e comportamento após ter recaída. É normal que todos se sintam assustados, zangados, desapontados e culpados após uma recaída. Procure a ajuda de quem possa fazê-lo retomar os passos para estabelecer sua sobriedade.
O segundo passo do plano de prevenção de recaída é descobrir o que ocasionou a recaída. Esta informação fornecerá valiosos indícios do que foi feito errado e o que pode ser feito diferente para melhorar suas chances de sobriedade permanente. “Se você falha em aprender com seu passado, você é condenado a repeti-lo”.
Educação: para prevenir recaídas é preciso entendê-las a fundo com a ajuda dos próximos. Adicção é a doença da negação.
Sintomas podem ser problemas de saúde, pensamento, emoções, memória, julgamento e comportamento.
Você precisa ter uma lista de indicadores e especificar o que está saindo de uma vida produtiva e confortável, para começar a se mover para a recaída.
Com o plano de prevenção de recaída é parte da recuperação, também precisa tornar-se uma maneira de viver.
Somente no hábito e na estrutura de um programa de sobriedade diário é que se pode conseguir a liberdade da escravidão da adicção.
A conseqüência será a liberdade para gozar uma sobriedade confortável e a garantia que se tem um conhecimento de recaída.


CAPÍTULO IX.

O envolvimento da família na síndrome de recaída é um aliado poderoso na prevenção de recaída do dependente. O programa de prevenção de recaída utiliza a motivação da família para conseguir que o adicto fique sóbrio.
A adicção é apresentada a família (Alanon) como uma doença da família que afeta a todos os membros da família e que requer deles participação no tratamento.
O termo co-dependência é usado para qualquer pessoa cuja vida ficou incontrolável por viver uma relação comprometida com um dependente.
Quando você tenta controlar algo sobre o que você não tem controle, você perde o controle daquilo que você consegue administrar. O estágio inicial é tentar resolver os problemas normais e tentativas de se ajustar.
O Estágio Médio: Respostas comuns que levam a derrota.
Quando as respostas prescritas culturalmente para o stress e a crise não trazem alívio da dor criada pela adicção na família, os membros da família tentam com mais força.
O Estágio Crônico:
As coisas que os familiares fizeram, num sincero esforço para ajudar, fracassaram. Portanto, o co-dependente fica confuso e com sentimento de culpa; ele também passa a precisar de um tratamento que o ajuda aprender a aceitar e separar-se dos sistemas.
Significa aprender a olhar as necessidades pessoais e o crescimento pessoal, aprender a se respeitar e gostar de si mesmo, escolher o comportamento apropriado, aprender a ter controle sobre sua própria vida.
Também o co-dependente pode recair.



Sinais de Aviso de Recaída Para a Co-adicção.

1 Perda da condição de estrutura diária (rotinas)
2 Falta de cuidados pessoais (cuida do dependente primeiro)
3 Incapacidade para colocar e manter limites com eficiência (limites podem ser clementes ou rígidos ao extremo)
4 Perda de planos construtivos. Faz qualquer coisa primeiro. Não ligam para a ordem de prioridades.
5 Indecisão – incapaz de tomar decisões na vida diária.
6 Comportamento compulsivo: Tudo que faz parece que não é suficiente. Quer sempre mais e mais em todos os aspectos: materiais, emocionais.
7 Fadiga ou falta de descanso.
8 Volta de ressentimentos insensatos (lembrar-se de ressentimentos passados)
9 Volta a tendência de controlar pessoas, lugar e coisas (o adicto pode ser o alvo principal)
10 Defensiva: Justifica-se de suas ações aguda e irritadamente.
11 Autopiedade: problemas do presente e do passado, aumenta a importância de fatos em si e se pergunta: “por que tudo acontece comigo?”
12 Se preocupando com dinheiro ou gastando demais. (gasta para se sentir melhor, merecia o que comprou!, mas sente culpa e sem outra saída.
13 Desordem no apetite (bulemia ou anorexia)
14 Bode expiatório: Culpar outras pessoas, coisas e lugares.
15 Retorno do medo e ansiedade geral: nervosismo, medo ou ansiedades, passam a existir em situações que antes não haviam.
16 Perda da crença em um Poder Superior.
17 Freqüência ao Alanon fica esporádica. (as reuniões não estão ajudando, ou não precisam mais)
18 Pensamento acelerado: Quer fazer tudo ao mesmo tempo.
19 Incapacidade de construir uma cadeia lógica de pensamento.
20 Confusão: o familiar sabe que existe sentimento interno mas não sabe o que é.
21 Distúrbios do sono: Insônia, ou sono intermitente.
22 Emoção artificial: não sabe porque fica emocionado sem nenhuma razão.
23 Perda de controle de comportamento: Punir demais as crianças, batendo e gritando com o adicto, atira coisas.
24 Mudanças de humor incontroláveis (extremamente feliz, ou extremamente deprimido)
25 Fracasso para manter os sintomas de apoio informais. Não participa mais de convites sociais e nem atende telefone.
26 Sentimento de solidão e isolamento. (tudo é feito para si mesmo) isola-se de qualquer pessoa.
27 Visão túnel. Olha só sua opinião ou decisão a dos outros não importam.
28 Volta de períodos de ansiedade variável e ataques de pânico. Ansiedades sem razão alguma. Sentir medo sem saber do que ou porque. Até mesmo ter medo de ter medo.
29 Problemas de saúde.
30 Uso de medicação ou álcool como um meio de lidar com os problemas. Assim o co-dependente pode vir a tornar-se dependente.
31 Abandono total das reuniões de apoio e sessões de terapia.
32 Incapacidade de mudar comportamento derrotista.
33 Desenvolvimento de uma atitude de “eu não me importo”. Coisas que antes eram importantes ficam abandonadas. Ou auto-justificam-se (eu estou fora de controle).
34 Perda completa da estrutura diária: não têm mais horário para nada. Comer, dormir, etc.
35 Desespero e idealização de suicídio. Sente que só tem três opções: ficar louco, cometer suicídio, ou virar adicto.
36 Grande colapso físico: fica disfuncional (úlceras, enxaquecas, dores no coração, palpitações no coração).
37 Grande colapso emocional: fica tão deprimido, hostil ou ansioso, que fica totalmente fora de controle.

Prevenção de Recaída Para a Família.

Se o co-dependente recai, mesmo que o adicto não esteja mais usando, há o risco de ambos recaírem juntos.
O co-dependente nunca pode abandonar o Alanon, assim como adicto não pode abandonar o Alcoólicos Anônimos ou Narcóticos Anônimos.
É importante proteger a família do stress que pode ser gerado pelos sintomas da abstinência tardia, experimentada pela pessoa em recuperação do stress criado pelos sintomas da co-dependência. Lembre-se que ninguém fica doente numa noite. Desenvolva um plano de prevenção da recaída para você, assim como o fez o adicto que está em recuperação.

CAPÍTULO X.

Grupo de auto-ajuda Programa de Prevenção de Recaída.

Prevenção de recaída é uma maneira de vida. Reconhecer e interromper os sintomas de recaída, precisa se tornar um hábito diário, mesmo sendo difícil sua execução.
Grupos de Alcoólicos Anônimos (reuniões especiais de Alcoólicos Anônimos para adictos em propensão à recaída apareceram. Muitas vezes são chamadas de “reuniões dos recaídos felizes.”
O propósito primordial do grupo é ajudar pessoas com tendências à recaída. Reconhecer seus próprios problemas e reunir-se para dar ajuda mútua e apoio em tempo de crise.
Para ser membro, a única qualificação é uma história de tentativas honestas que falharam ou o medo que a recaída possa acontecer. Os grupos de programa de prevenção de recaída reconhecem que as pessoas com tendência à recaída tiveram muitos fracassos na recuperação.
O grupo é feito, para dar retorno aos membros, dos sintomas observados por outros membros do grupo.
O grupo é eficaz pois, exige-se relatório diário que identifique sinais de aviso no começo, esforço para parar os sinais de aviso antes que fiquem fora de controle, falar abertamente e honestamente sobre os sinais de aviso e o que fazer para para-los e ouvir o retorno dos outros.
Recuperação é possível mesmo para pessoas com longas histórias de recaídas crônicas e fracasso na recuperação. O programa de prevenção de recaída nos diz que estudando estas pessoas, e determinado o que lhes acontece fisicamente, psicológicamente, socialmente e espiritualmente, podemos descobrir o que precisa acontecer para que eles possam ficar constitucionalmente capazes de recuperação.
O Alcoólicos Anônimos oferece doze passos para a recuperação. programa de prevenção de recaída aplica-se de uma maneira especial para aqueles que têm uma tendência a recair.


No Grupo de Programa de prevenção de Recaída, sempre analise:

1. O que penso sobre o que a pessoa falou?
2. O que senti enquanto a pessoa estava falando?
3. As forças que vejo no programa e nas pessoas, me ajudam?
4. As fraquezas que vejo no programa e nas pessoas, me ajudam?







Os Doze Passos de Alcoólicos Anônimos Cruzados Com os Doze Passos do Programa de Prevenção de Recaída.

Primeiro Passo.

O primeiro passo nos diz para admitir que somos impotentes perante o álcool e que nossas vidas ficaram ingovernáveis. Programa de prevenção de recaída descreve “viver sem controle” com o conceito de “comportamentos compulsivos”.
Perdemos o controle de nossa vida quando nos voltamos para comportamentos compulsivos para evitar lidar conosco, nosso pensamento, nossas emoções e nossas ações.

























Segundo Passo.

O segundo passo nos diz para acreditar que um Poder Superior a nós, pode nos devolver à sanidade: este plano sugere que somos insanos por estar usando álcool e drogas.
Programa de prevenção de recaída descreve uma insanidade baseada nos termos da síndrome de abstinência demorada, pensamento adictivo, crenças erradas, e um sistema social adictivo que mantém estas crenças vivas. Afirma as promessas do segundo passo de possibilidade de recuperação. também confirma que a recuperação não pode vir de dentro da pessoa com tendência à recaída, porque a percepção está distorcida demais pelo pensamento e crenças erradas. Precisam acreditar que não podem fazer isto sozinhos, mas de que existe ajuda efetiva disponível. Existe um Poder que fornece esta força e coragem para encontrar e utilizar conhecimento e métodos para desenvolver a disciplina necessária para recuperação.





















Terceiro Passo.

O terceiro passo nos diz para tomar a decisão de colocar nossas vontades e nossas vidas sob o cuidado de Deus como nós O entendemos. Quando este passo é aplicado, ao programa de prevenção de recaída, significa se render à vontade de Deus em utilizar nova informação e continuar a disciplina de completar o programa de prevenção de recaída.






























Quarto passo.

O quarto passo nos diz para fazer um destemido e minucioso inventário moral de nós mesmos. O Programa de recuperação de recaída sugere um inventário especializado sobre os sintomas da síndrome de abstinência demorada, os sintomas da recuperação parcial, e os sinais de aviso de recaída que indica a síndrome de abstinência demorada estar fora de controle.
Este inventário especializado focaliza sobre avaliar sua própria estrutura de recaída.




























Quinto Passo.

O quinto passo nos fala para admitir para Deus, para nós mesmos e para outro ser humano (padrinho/madrinha) a natureza exata de nossas falhas. Em termos de PPR, não é suficiente saber pessoalmente quais são seus sinais de aviso. Você precisa discutir estes sinais nas reuniões de Alcoólicos Anônimos ou Narcóticos Anônimos, em terapia de grupo, com seu padrinho, terapeuta e familiares. PPR além disto lhe encoraja a se envolver num grupo de auto-ajuda PPR que envolva um amigo chave, familiares e membros de Alcoólicos Anônimos. Quanto mais pessoas forem familiares com seus sinais de aviso e podem lhe ajudar a reconhecê-los e para-los será melhor para você.

























Sexto Passo.

O sexto passo nos diz para nos tornarmos inteiramente prontos para que Deus removesse todos estes defeitos de caráter. No PPR os defeitos de caráter são divididos em três categorias.
A primeira envolve os sintomas de dano neurológico (síndrome de abstinência demorada) acusado pelo crônico uso do químico. Estes sintomas requerem tempo, mais nutrição apropriada e lidar com o stress para se recuperar.
A Segunda envolve pensamento dependente e crenças erras que criam desconforto na recuperação. Pensamento derrotista e estruturas de crenças precisam ser identificados falando e estando aberto ao reforço dos outros.
A terceira categoria envolve problemas com pensamento e a vida, que interferem com o crescimento e o desenvolvimento.
PPR sugere que é útil categorizar e identificar com cuidado os defeitos de caráter. Cada tipo diferente para corrigi-lo. Esta necessidade de aproximações diferentes para diferentes tipos de problemas foi sugerido pelo Pe. Martin quando disse: “se for atropelado por um caminhão, leve-me para o hospital, não me leve para a Igreja ou para a reunião de Alcoólicos Anônimos. Enquanto estiver no hospital, usarei os princípios de Alcoólicos Anônimos para me dar forças para meu tratamento.”
PPR sugere que precisamos ficar dispostos para se recuperar dos danos físicos e neurológicos de nossa adicção, bem como os psicológicos (pensar, sentir e agir).









Sétimo Passo.

O sétimo passo sugere que nós humildemente, roguemos a Deus para remover nossas falhas. Deus criou um universo ordenado. Adicção destrói esta ordem na vida da pessoa. Mas Deus também criou um processo para restaurar a ordem. PPR sugere que há um caminho para a recuperação. não é fácil, mas existe. Aprendendo qual é este caminho e pedindo forças para segui-lo, com o tempo todos os três tipos de defeitos de caráter serão removidos.
Para estar disposto a que Deus remova todos estes defeitos de caráter, precisamos perceber que Deus muitas vezes trabalha através de outras pessoas: um médico, um nutricionista, um conselheiro de alcoolismo, um colega, ou um membro de Alcoólicos Anônimos.
























Oitavo Passo.

Oitavo passo sugere que façam uma lista de todas as pessoas que prejudicamos e nos tornar dispostos a fazer reparações a todas. Em outras palavras, precisamos limpar a casa. Precisamos preparar para por em ordem nossas relações passadas. O oitavo passo fala para identificarmos e prontificarmo-nos a fazer reparações. Pessoas com tendência à recaída tendem a ter listas maiores de pessoas a quem precisam fazer reparações. Isto porque muitas pessoas foram enganadas ou magoadas no longo da abstinência seguida pela recaída.



























Nono Passo.

O nono passo sugere que nós realmente façamos reparações a estas pessoas sempre que forem possíveis, exceto quando fazer isto pode prejudicá-las ou a outras. PPR afirma a necessidade de por em ordem nossos relacionamentos passados. Na prevenção da recaída é importante reconhecer que este é o nosso passo por uma razão. Tentar fazer reparações muito cedo pode criar stress e dor demais, que pode induzir a recaída.





























Décimo Passo.

O décimo passo nos diz para continuarmos a fazer um inventário pessoal e quando estiver errado, prontamente admiti-lo. PPR sugere que reconhecemos os sinais de aviso de recaída prontamente e façamos algo a respeito.
Quanto mais o sinal de aviso de recaída é deixado de lado, mais ele crescerá em intensidade até ficar tão forte que leva de volta ao uso do químico. Reconhecer o sinal de aviso, admitir que existe, e usar o PPR para lidar com ele.





























Décimo Primeiro Passo.

O décimo primeiro passo diz para procurarmos através da prece e da meditação, melhorarmos nosso contato consciente com Deus, como O entendemos, rogando a Ele somente pelo crescimento de sua vontade e a força para realizarmos esta vontade. oração e meditação fornecem uma fonte de inspiração e coragem para alcançarmos e pedirmos ajuda. Na prece e meditação, encontraremos a força para tentar de novo a recuperação.





























Décimo Segundo Passo.

0 décimo segundo passo sugere que, tendo um despertar espiritual, tentemos transmitir esta mensagem para os alcoólicos e pratiquemos estes princípios em todos os nossos negócios. Recaídas repetidas interferem no crescimento espiritual. Sobriedade contínua ou longos períodos de sobriedade permitem o crescimento que motiva aqueles que experimentaram um despertar espiritual, compartilhar seu crescimento de PPR com outros adictos com tendência à recaída.
PPR sugere que os adictos com tendência à recaída têm necessidades especiais, mas que existe esperança de recuperação. O fato de que uma pessoa com tendência a recaídas pode se recuperar é uma fonte importante de esperança para outros que ainda estão lutando para consegui-lo.
Mas é preciso mais que esperança. Existe a necessidade de transmitir conhecimento, habilidade e apoio pessoal para que a pessoa que luta aprenda este novo conhecimento e coloque as novas habilidades para funcionar.
Por isso PPR recomenda com firmeza a terapia de grupo, grupos de auto-ajuda, Caps e Naps, para prevenção de recaída como veículos primários para aprender sobre PPR. Quando isto é acoplado com os princípios e prática dos grupos, resulta numa fórmula poderosa para a recuperação.



Nenhum comentário: