Adicção, A.A., N.A., Doze Passos, Reflexões, Literatura, Clínica, Comunidade, Espiritualidade

LITERATURA DE ALCOÓLICOS E NARCÓTICOS ANÔNIMOS, OS DOZE PASSOS, REFLEXÕES, CLÍNICAS, COMUNIDADES, ESPIRITUALIDADE. ESPERO COM ESSAS MATÉRIAS, ESTAR COLABORANDO COM ALGUÉM, EM ALGUM LUGAR, EM ALGUM MOMENTO DE SUA VIDA !

domingo, 4 de novembro de 2007

Parábola dos talentos

O BOM USO DOS TALENTOS. (Mt. 25.14-30)

Na parábola dos talentos, Jesus fala sobre um homem que, ausentando-se do país, chamou os seus servos e lhes confiou os seus bens, conforme a capacidade de cada um.
A um deles deu cinco talentos, a outro, dois e ao último deles, um talento.
O que recebera cinco talentos negociou-os e ganhou outros cinco; do mesmo modo o que recebera dois, procedeu da mesma maneira e ganhou outros dois. Mas o que recebera um talento, abriu uma cova e escondeu o dinheiro do seu senhor.
Depois de muito tempo, voltou o senhor e ajustou contas com os servos.
“Senhor, confiaste-me cinco talentos; eis aqui outros cinco talentos que ganhei”, disse um deles.
“Senhor, dois talentos me confiastes; aqui tens outros dois que ganhei”, disse o outro.
“Senhor, sabendo que é homem severo, que ceifas onde não semeaste, e ajuntas onde não espalhaste, receoso, escondi na terra o teu talento; aqui tens o que é teu”, disse o terceiro.
“Muito bem, servo bom e fiel; foste fiel no pouco, sobre o muito que te coloquei. Entra no gozo do teu senhor”, disse o homem, ao servo que recebera cinco e ao que recebera dois talentos.
Mas não pôde dizer o mesmo ao servo que recebera um talento e o enterrou. A este, disse: “servo mau e negligente, sabias que ceifo onde não semeei e ajunto onde não espalhei. Cumpria, portanto, que entregasses o meu dinheiro aos banqueiros e eu, ao voltar, receberia com juros o que é meu. Tirai-lhe, pois, o talento, e dai-o ao que tem dez. porque a todo o que tem se lhe dará, e terá em abundância; mas ao que não tem, até o que tem lhe será tirado. E o servo inútil lançai para fora, nas trevas. Ali haverá choro e ranger de dentes.”
O senhor dos servos é Deus. os talentos são os bens, os recursos materiais e espirituais que o plano espiritual outorga aos homens, para serem empregados em benefício do próximo.
Quando vemos que um dos servos escondeu o talento recebido, imaginamos que se tratava de uma pequena moeda sem muito valor. Mas as quantias entregues aos servos não eram pequenas. O servo que recebeu apenas um talento poderia ter adquirido um rebanho de 6.000 ovelhas ou de 1.200 bois.
Com isso nos conscientizamos de que os dons espirituais que recebemos, por menores que sejam, têm valor grandioso, diante de Deus. cabe-nos utilizar bem esses dons, fazendo o melhor uso deles.
Como a pequena ave que molhava as suas asas num lago e espalhava as pequenas gotas de água num grande incêndio, certa de que as gotinhas, não iriam apagar o incêndio, mas ela (a ave) estava fazendo sua parte, a nossa parcela de contribuição será, por menor que seja, de grande valia, por uma sociedade e por um mundo melhor.
Quanto ao ensinamento de que “a todo o que tem se lhe dará, e terá em abundância; mas ao que não tem, até o que tem lhe será tirado”, significa que aquele que é diligente, esforçado, que corresponde ao amparo do Poder Superior e do plano espiritual, receberá auxílio e proteção, aumentando as virtudes, sua capacidade espiritual e multiplicando suas boas qualidades. Ao passo que aquele que não tem virtudes, que não se esforça em adquiri-las, em aumentá-las ou que não faz nada para aumentar sua capacidade espiritual, por força da lei de causa e efeito, sofrerá e será desprovido até daquilo que o Poder Superior lhe emprestara, ou seja, aquilo que realmente era seu, lhe é tirado.
Sejamos previdentes e sigamos Jesus, quando nos recomenda: “Nem todo o que Me diz: Senhor, Senhor, entrará no Reino dos Céus, mas sim o que faz a vontade de Meu Pai, que está nos céus.”

Nenhum comentário: